Reprodução

Formação de casais

Obviamente para a reprodução deverá existir um casal, mas não é inserindo uma macho e uma fêmea que necessariamente terá um casal. Para isso existem algumas maneiras de se formar casais.

  • Junta-se vários Discos adultos em um tanque, mesmo jovens, sendo que jovens terá que aguardar até que atinjam a maturidade sexual. Nesta opção os Discos acabam escolhendo naturalmente seu parceiro(a).
  • Uma forma mais fácil é adquirir um casal já formado. Só atente se realmente se trata de um casal onde este poderá chegar a centenas de reais e nem sempre terá a garantia que se reproduzam com sucesso, mesmo adquirindo boas matrizes.
  • Pode-se ainda, caso seja muito experiênte na percepção do sexo, comprar um trio (1 macho e 2 fêmeas) e juntá-los de forma que com o tempo poderão tender a formar o esperado casal. Note que é muito difícil distinguir o dimorfismo sexual dos Discos mesmo tendo muita experiência e mesmo assim pode-se enganar.

Comportamentos em fase de acasalamento

Certos comportamentos muitas vezes poderão indicar que se formou um casal ou mesmo que poderá ocorrer desova, observação constante é a chave.

Comportamento específicos

  • Agressividade com demais Discos do aquário;
  • Eventual perda de apetite (cuidado para não confundir com doença!);
  • Variando de peixe para peixe, poderá ocorrer o escurecimento na face ou cauda;
  • Demarcação territorial impedindo qualquer outro peixe se aproxime de determinado local escolhido, onde posteriormente poderão estar limpando ests local e consequentemente desovando;
  • O ritual nupcial acontece quando se entregam um ao outro abanando o corpo e cauda constantemente quando se cruzam no tanque;
  • O local escolhido para desova ocorrerá sempre em uma superfície plana como uma folha larga de planta, no tubo do filtro, troncos, vidro, cones colocados propositalmente para este fim, etc. O casal inicia a limpeza deste local escolhido onde a fêmea desovará em seguida sendo fertilizado pelo macho quase ao mesmo tempo.

Tanque de reprodução

Tendo a certeza que possui um casal pelos comportamentos descritos acima. Normalmente as primeiras desovas em tanques comunitários tendem a não vingar devido a inúmeros fatores, entre eles o stress causado aos pais, inexperiências dos pais que podem vir a comer os ovos, mesmo antes deles eclodirem e principalmente pela presença de outros peixes que acabam comendo os futuros alevinos quando estão nadando livremente, mesmo sobre a proteção vigorosa dos pais, muito dificilmente poderão sobreviver, mas requer mais sorte que técnica.

Caso ocorra a desova e o casal se encontra em um tanque comunitário, o melhor a se fazer é isolar o suposto casal em um tanque especialmente preparado para reprodução. A água deste tanque deverá ter características iguais a do tanque originário, ou seja, água macia e pH ácido. Criadores mencionam que o uso da turfa alem de suavizar a água, estimula de certa forma a desova por liberar substâncias que os Discos apreciam.

Como deverá ser o tanque de reprodução:
  • pH entre 5.5 a 6.6;
  • Temperatura entre 28º a 30ºC;
  • DH entre 0 a 4;
  • Condutividade aproximadamente 100ms;
  • O tamanho do tanque deverá ser de no mínimo 100L aproximadamente, sendo ideal possuir o comprimento de no minímo 60cm, altura 40cm e largura 30cm;
  • Vidros laterais e traseiro poderá ser inserido papel cor azul claro ou mesmo ficar sem forro;
  • Colocar o aquário em ambiente tranquilo e arejado resguardado de luzes fortes e barulhos de qualquer tipo, poderá usar iluminação fraca;
  • Os pais deverão ser muito bem alimentados em poucas quantidades com rações de qualidade.

Ocorrendo a desova

Após passar por todo ritual e o local para desova estar limpo, a fêmea começará uma primeira postura de ovos adesivos e quase simultaneamente o macho se colocará em linha fazendo o mesmo trajeto da fêmea fertilizando os ovos com a liberação do esperma. Neste processo é altamente indicada fraca movimentação de água para que os ovos sejam fertilizados com sucesso e não corra o risco de desgarrarem.

O número médio de ovos colocados varia entre 50 a 150 ovos podendo chegar a 300 ovos dependendo da experiência do casal.

Poderá ainda ocorrer que o macho ou mesmo a fêmea venha a comer os ovos por algum motivo (stress, inexperiente, muita movimentação ao redor do tanque, etc.). Não de desespere e nem se desilude, novas desovas em breve virão.


Desova

Acabado o processo de fertilização, os ovos serão constantemente arejados bombeando água limpa, onde evita o depósito de detritos e principalmente seu maior inimigo, os fungos. Ovos atacados por fungos ou inférteis tornam-se brancos e minuciosamente serão retirados pelos pais.

Em torno e 48 a 70 horas os alevinos eclodiram e permaneceram com o saco vitelino por cerca de 3 ou 4 dias até que estejam nadando livremente.

Pode-se ainda criá-los artificialmente isolando os ovos em outro tanque menor, mas o melhor a se fazer é deixar os pequenos junto aos pais, pelo menos terão alimento por certo tempo em abudância.

 

Alimentando os alevinos

Na primeira semana, os alevinos se alimentaram exclusivamente do muco liberado pelos pais e a partir desta semana, poderá ir fornecendo alimentos vivos (artêmias recem eclodida, microvermes, etc.). Com o decorrer do tempo, os alevinos tenderão a se habituar a outro tipo de alimentação, mas continuarão a comer o muco dos pais.

A medida que os alevinos forem crescendo deverá retirá-los da presença dos pais, já que acabam esgotando e muito os pais devido a forma de se alimentarem.

Indica-se separar os alevinos dos pais antes de completarem um mês de vida, mas muitos deixam os pequenos na presença dos pais por um bom tempo.


1º dia de nado livre

10º dia de nado livre

Apenas note se com o decorrer do tempo, deixaram de "mamar" nos pais. Tão importante nesta fase dos alevinos se refere a alimentação de boa qualidade e a constante renovação de água para garantir um crescimento mais rápido e saudável.


25º dia de nado livre